sexta-feira , 25 Maio 2018

Reportagem completa sobre SILAS MALAFAIA na NYTIMES

silas malafaia nytimes
Reportagem completa traduzida que saiu na NYTIMES sobre o Pastor Silas Malafaia:

“Livros SILAS MALAFAIA, que vendem aos milhões no Brasil, têm títulos como “Estratégias para derrotar Satanás” e “Lições de um Vencedor”. O jato Gulfstream privado em que ele voa tem “Favor de Deus”, em Inglês, inscrito em seu corpo.

Como um evangelista de televisão, o Sr. Malafaia atinge espectadores em dezenas de países, incluindo os Estados Unidos, onde Daystar e Trinity Broadcasting Network transmitemseus sermões dublados. Por mais de 30 anos, o Sr. Malafaia, 53, reuniu igrejas prósperas e empresas em torno de sua pregação pentecostal.

Ainda assim, ele poderia ter atraído pouca atenção fora seus próprios seguidores se ele não tivesse entrei na versão do Brasil das guerras da cultura. Afinal, o Brasil tem líderes evangélicos que comandam grandes impérios, como Edir Macedo, cuja Igreja Universal do Reino de Deus controla a Rede Record, uma das maiores redes de televisão do Brasil. Outros, como Romildo Ribeiro Soares, da Igreja Internacional da Graça de Deus, são conhecidos por maior zelo missionário.

Mas é o Sr. Malafaia que recentemente atraiu a maior atenção, com sua apontou ataques verbais contra uma ampla gama de inimigos, incluindo os líderes do movimento gay do Brasil para os direitos, os defensores do direito ao aborto e apoiantes da descriminalização da maconha.

“Eu sou o inimigo público n º 1 do movimento gay no Brasil,” Mr. Malafaia disse em uma entrevista este mês aqui em Fortaleza, uma cidade no nordeste do Brasil, onde ele chegou a levar um de seus auto-descrito “cruzadas, “escritura de um evento de mistura e canção em frente de cerca de 200.000 pessoas. As lágrimas caíram-os rostos de alguns dos participantes apaixonada, enquanto outros dançavam ao performances que serviu como seu ato de abertura.

Antes de subir ao púlpito, ele descreveu como ele se tornou cobiçado em talk shows da televisão como um parceiro de sparring com líderes gay. Mas isso é apenas uma pequena parte de seu repertório, e televisão é apenas um dos muitos meios à disposição do Sr. Malafaia. No Twitter, ele tem quase um quarto de milhão de seguidores, e em vídeos distribuídos no YouTube, ele não só nega a inimigos liberais, mas também jornalistas e líderes evangélicos rival.

Não surpreendentemente, sua proeminência crescente fez dele a fonte de admiração e inquietação. Ele mobilizou milhares de pessoas a passeata na capital, Brasília, este ano, contra um projeto de lei que visa ampliar legislação anti-discriminação para incluir a orientação sexual.

“Ele é como Pat Robertson, no sentido de ser um pioneiro na movimentação direita evangélica do Brasil para a esfera política nacional”, disse Andrew Chesnut, especialista em religiões latino-americano da Virginia Commonwealth University, comparando o Sr. Malafaia para o evangelista de televisão conservadores americanos.

Elite do Brasil é procurar entender o surgimento de uma figura tão polarizadora, e como ela pode influenciar a política da nação. Piauí, uma revista que é o equivalente do The New Yorker, nos Estados Unidos, publicou um longo artigo sobre a ascensão este ano o Sr. Malafaia é da obscuridade no Rio de Janeiro, onde ele cresceu em uma família militar, para o poder que ele agora empunha.

ALÉM Sr. Malafaia, a expansão gama de religiões evangélicas, especialmente o Pentecostalismo, nas últimas décadas está alterando a política do Brasil. (Embora o pentecostalismo varia muito, os seus princípios no Brasil incluem a cura pela fé, profecia e exorcismo.) Líderes em Brasília deve agora consultar-se sobre uma série de questões com uma bancada evangélica de legisladores com cunhas resistentes.

Cerca de um em cada quatro brasileiros são pensados agora a fazer parte de congregações protestantes evangélicos e pentecostais como o Sr. Malafaia estão na vanguarda desse crescimento. Em uma transformação notável religiosos, estudiosos dizem que enquanto o Brasil ainda tem o maior número de católicos romanos no mundo, agora também rivais dos Estados Unidos em ter uma das maiores populações Pentecostal.

Nem todo mundo no Brasil está entusiasmado com essa mudança.

Em um ensaio de novembro, o jornalista Eliane Brum escreveu sobre a intolerância para com os ateus mostrado no Brasil por alguns adeptos de religiões nascido de novo, descrevendo o que ela chamou de “disputa cada vez mais agressivo para quota de mercado” entre os grandes igrejas.

Ensaio Ms. Brum desencadeou uma onda de reações de pentecostais. Palavras do Sr. Malafaia estavam entre os mais cáustica.

Durante a entrevista aqui, ele chamou a Sra. Brum um “vagabundo”, e repetiu sua afirmação de que “os ateus comunistas” na antiga União Soviética, Camboja e Vietnã foram responsáveis por mais mortes do que “a guerra produzido para questões religiosas.”

Se por desenho ou padrão, sua linguagem agressiva tem freqüentemente se tornado um espetáculo. Em novembro, a revista Época informou que o Sr. Malafaia, durante comentários aquecida sobre a tomada de medidas legais contra Toni Reis, um defensor dos direitos gays proeminentes, disse que “fornicar” Sr. Reis.

Sr. Malafaia disparou uma explicação que ele tinha realmente disse que iria “funicate” Sr. Reis. Enquanto os pesquisadores não foram capazes de encontrar a palavra o Sr. Malafaia em dicionários de referência, ele disse que era a gíria que aproximadamente traduzido como “trucidar”.

A visibilidade atinge de Mr. Malafaia tais episódios tem alimentado dúvidas sobre suas ambições políticas. Ele disse que não tinha vontade de correr para o escritório, pois poderia fazê-lo em dívida com um partido político específico, limitando assim o maior visibilidade que ele tem agora.

“Deus me chamou para ser um pastor”, disse ele, “e não vou troca que por ser um político.”

Mas a influência política é outra questão. Sr. Malafaia disse que votou duas vezes para o ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e durante anos teve acesso aos corredores do poder de Brasília. Mas ele também contou uma anedota sobre o sucessor de Lula, o Presidente Dilma Rousseff, que sugere como importantes figuras evangélicas estão se tornando em eleições nacionais.

Ele disse que ela falou com ele por telefone durante 15 minutos durante a campanha presidencial do ano passado, tentando atrair o seu apoio. Mas ele disse que recusou por causa de diferenças ideológicas com as peças do Partido dos Trabalhadores governo do Sr. da Silva, um ex-líder trabalhista, e Sra. Rousseff, uma ex-operatória em um grupo de guerrilha urbana.

“Eu disse a ela: ‘Eu não tenho nada pessoal contra você. Eu acho que você é uma mulher inteligente e qualificado “, disse ele. “Mas como posso votar em você se eu passei quatro anos de luta com o grupo de seu partido apoiar um projeto de lei para beneficiar gays, assim me machucando?”

MR. MALAFAIA, enquanto stabbing o ar com os dedos adornados com diamantes incrustados anéis de ouro, proporciona tais contos em Português crescendo com um sotaque Rio de espessura.

Sua persona deu-lhe quase o status de estrela do rock entre alguns apoiantes.

“Eu não o reconheci sem bigode”, disse Erineide Mendonça, 39, um empregado do hotel Fortaleza onde o Sr. Malafaia estava hospedado, referindo-se ao cabelo facial marca que ele não raspou há muito tempo. “Mas eu reconheci a voz dele”, disse ela, pedindo para ser fotografado com o evangelista que ela adora.

Tanto o Sr. Malafaia e sua esposa, Elizete, foram treinados como psicólogos, e quando ele sobe ao púlpito, sua voz ecoa nos sermões carregados de lições de auto-ajuda e perseverança.

Um tema favorito envolve o sucesso e como alcançá-lo. Enquanto ele afirma que ele ainda vive relativamente humilde e nem sequer é um milionário, ele não se desculpa por sua ascensão próprio material. Na verdade, ele celebra, divulgando, por exemplo, o seu Mercedes-Benz – um dom, ele explica, de um amigo próspero.

Depois, há o Gulfstream, adquiridos de segunda mão nos Estados Unidos, disse ele, não por ele mas pela sua organização religiosa sem fins lucrativos a um preço razoável.

“O papa moscas em um jato jumbo”, disse ele, referindo-se ao plano fretado da Alitalia que transporta o bispo de Roma, e escoriações no que ele via como um duplo padrão com o qual ascendente do Brasil líderes evangélicos devem lidar. “Mas, se um pastor viaja em um avião a jacto de idade, ele é considerado um ladrão.”

Fonte: http://www.nytimes.com/2011/11/26/world/americas/silas-malafaia-tv-evangelist-rises-in-brazils-culture-wars.html?pagewanted=all

Por: Simon Romero

Tradução: Daniel César

Comentário: Nós não concordamos com o site, achamos ele muito ROTULADOR, muito preconceituoso, muito AMERICANIZADO, com TOM DE CHACOTA, sobre o abençoado Pastor Silas Malafaia.

 

Facebook Comentarios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *